Edifícios Inteligentes: tendências para os próximos anos

Confira as 7 principais tendências de edifícios inteligentes para os próximo anos:

Eficiência energética

Tudo começou com algumas iniciativas localizadas, como a troca de lâmpadas de alto consumo por lâmpadas LED e a troca de equipamentos de ar condicionado velhos por novos e mais eficientes. Os investimentos eram fáceis de serem calculados e seus retornos, se não muito altos, eram de longa duração.

Mas agora é preciso dar passos mais tecnológicos. Aqui incluímos controle individual de cada ambiente, controle dinâmico de temperatura, ações antecipadas baseadas na previsão de ocupação, entre outros. Para que essas soluções sejam eficientes, haverá a necessidade mais sensores e mais fontes de dados para que as decisões possam ser tomadas mais eficientemente.

Redução de custos operacionais

Os edifícios inteligentes precisam ter uma infraestrutura de tecnologia da informação bastante complexa e o caminho natural é utilizar esta infraestrutura para também otimizar os custos operacionais, compartilhando recursos entre os vários setores, como segurança, operação de maquinário, atendimento ao usuário/cliente, análise de dados e gerenciamento.

Gerenciamento de ativos

Incluímos aqui não apenas os ativos diretamente relacionados com a manutenção e operação de um edifício, mas também os relacionados com sua utilização como um negócio comercial. As câmeras de segurança podem também ser utilizadas para observar a utilização de espaços, dando informações que permitam a otimização de seu uso.

A coleta continua de informações sobre os principais equipamentos de um edifício, como os elevadores, portões elétricos e bombas de água permitirá a implantação de ferramentas de manutenção preventiva e preditiva, minimizando as perdas com equipamentos fora de funcionamento ou com manutenções corretivas, sempre mais caras e nem sempre bem feitas, devido à urgência da situação.

Leia mais:  Como montar um home cinema?

Novas tecnologias reduzindo o custo com investimentos

As novas tecnologias como a Internet das Coisas e o desenvolvimento de sensores cada vez mais baratos incentivará o investimento em transformar pequenos e médios edifícios em Edifícios Inteligentes. O investimento será menor graças a estas tecnologias e os benefícios estarão ao alcance de um número maior de usuários.

Maior conforto, maior produtividade

O controle mais preciso de grandezas como temperatura, umidade e luminosidade trarão maior conforto aos ocupantes do edifício e, como consequência já provada através de estudos, maior produtividade.

Integração com a cidade inteligente

Uma cidade inteligente fica mais inteligente e de forma mais rápida quando pode contar com um bom número de casas e edifícios inteligentes. As informações poderão ser melhor integradas e as ações que a Cidade Inteligente precisará tomar em um determinado momento poderão incluir as Casas e Edifícios, aumentando sua eficácia e reduzindo seu custo para obter os resultados esperados.

Contribuição social

Um edifício que seja inteligente é também eficiente, maximizando os benefícios obtidos a partir dos recursos consumidos. É uma forma clara de contribuir com o meio ambiente e obter vantagens com isso.

Leia mais:

Fonte: www.iotnobrasil.blogspot.com.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Master Cases de Automação Residencial e Corporativa

Soluções personalizadas para o ambiente dos seus sonhos!

Tire suas dúvidas
com um especialista em automação

Estamos disponíveis no WhatsApp:
(31) 98766-7273